Mensagem do doutor Wagner Cavalieri, juiz de direito

Tempo de leitura: 1 minuto

Hoje é um dia de enorme tristeza. Já não bastasse a notícia do ato extremo praticado pelo sargento Joelder há alguns dias, após ter sido condenado por suposta tortura a um inveterado criminoso, chega a notícia do tombamento de outro militar, desta vez em pleno exercício da função, ou seja, na defesa da sociedade.

A lista está cada vez maior: policiais militares, policiais civis, agentes prisionais, guardas, federais, vigilantes, etc… Passam-se alguns dias e caem no esquecimento da sociedade pela qual se dedicam, mas não no nosso…

Quantos mais terão que tombar para que nós, autoridades e sociedade de bem, entendamos que algo radical precisa mudar? Para entendermos que precisamos voltar as coisas para a ordem natural e acabarmos com essa inversão de valores que paira sobre nós?

Audiências de custódias nas quais os criminosos pegos em flagrante são considerados como vítimas e os agentes da lei como presumidos torturadores? Que absurdo é esse? Criminosos recorrentes sendo presos e soltos logo em seguida porque seus crimes são “leves” ou porque não há vagas no sistema prisional?

Quantas famílias de trabalhadores da segurança pública ainda terão que ficar órfã porque os criminosos estão cada vez mais ousados, bem armados e impunes?

Este dia não pode passar em brancas nuvens… É um dia triste, mas as vidas do cabo Marcos Marques e do vigilante Leonardo José Mendes não podem ter sido levadas em vão… Não podem cair no esquecimento…

Precisamos resgatar a autoridade e o orgulho daqueles que agem em nome do Estado, em nome da sociedade… Precisamos de uma nova ordem, de união, de inteligência e de melhores ferramentas…

Hoje, só me resta gritar por esses anônimos heróis que acabam quase sempre no esquecimento e por suas famílias e amigos… Hoje é um dia frio e triste, mas não passará em branco… Se Deus quiser, não…

Contagem, 10 de julho de 2017

Wagner Cavalieri

Juiz titular da Vara de Execuções Criminais de Contagem