As 5 frases mais ouvidas em abordagem policial

Tempo de leitura: 4 minutos

 

Você já percebeu como algumas pessoas tentam se impor a policiais usando de sua condição financeira, profissional ou até de afinidade com alguém influente? E, salvo raras exceções, tais pessoas costumam utilizar estes artifícios por estarem cometendo alguma infração administrativa ou criminal.

Aposto que você já vivenciou como policial ou presenciou como testemunha alguma situação parecida, não é mesmo?

A maioria das abordagens policiais, por mais simples que sejam, são um pouco tensas e costumam causar um certo constrangimento para o cidadão abordado.

Mas fazer o que se somente com a abordagem é possível realizar uma busca pessoal, vistoria em veículos ou imóveis, bem como conversar com os abordados que estão em atitude suspeita ou cometendo alguma irregularidade?

Boa parte dos abordados entendem o procedimento e até agradecem a atuação policial após serem liberados.

Mas outros tantos não concordam com a intervenção policial por se acharem acima de qualquer suspeita, dificultando sobremaneira o trabalho dos policiais.

Estas pessoas buscam desviar o foco de seus atos irregulares para a posição que elas ocupam na sociedade, como se isto fosse autorização para agir “fora da lei”.

O que estas pessoas não sabem é que quanto mais elas falam, mais se comprometem. Nos filmes de Hollywood, todo policial ao fazer uma prisão, declara os direitos do conduzido, entre eles o de ficar calado: “tudo o que disser poderá ser usado contra você no tribunal”.

Pois aqui no Brasil não é diferente. Segundo a Constituição Federal, em seu art. 5º, LVIII, “o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado (…)”.

Tem algumas pessoas que não pensam antes de falar e acabam presas por desacato, ameaça, desobediência, entre outros crimes cometidos por se considerarem superiores a autoridade policial.

E tudo que o abordado disser deve ser narrado no boletim de ocorrência para que ele tenha que se explicar na justiça criminal ou cível.

Destacaremos aqui cinco frases que normalmente os abordados falam com o intuito de intimidar os policiais durante a abordagem:

1. VOCÊ SABE COM QUEM ESTÁ FALANDO?

Muitas autoridades se acham intocáveis e costumam utilizar sua posição para evitar a abordagem ou prisão. O Blog do cabo Júlio relatou o caso de um desembargador parado em blitz dá voz de prisão a um PM no Rio de Janeiro.

2. EU SOU ESTUDANTE DE DIREITO!

Este é um costume daqueles que ainda estão cursando os primeiros períodos e que, erroneamente, acreditam ter alguma prerrogativa.

3. EU SOU AMIGO/PARENTE DO CORONEL “FULANO DE TAL”!

Neste caso, apesar do abordado não ter qualquer influência, ele usa o nome de alguém que a tenha.

E, infelizmente, não raras vezes, esta pessoa influente costuma ligar e fazer contatos com objetivo de evitar que o policial tome as providências adequadas. Há poucos dias, aconteceu um caso em que um motociclista embriagado disse ser amigo de uma deputada e um coronel.

4. EU PAGO SEU SALÁRIO!

Tem algumas pessoas que, por pagar impostos (se é que realmente paga), acredita que pode cometer infrações e não ser abordado por policiais. Será que não sabem que policial também paga seus impostos?

Além do que, senhores abordados, vocês estão pagando muito mal para a complexidade da função exercida e, pior ainda, atrasando os salários, como no Rio Grande do Sul.

Este argumento foi usado por um motorista embriagado que disse pagar o salário do policial e que ele não era homem sem farda.

5. VOCÊ VAI PERDER SUA FARDA!

Esta frase já é sinal do desespero do abordado que passa a condição de preso.

Este ano, tive o desprazer de ouvir esta ameaça ridícula de um preso. Confira esta ocorrência com todos seus detalhes no artigo Policial, você vai perder sua farda.

Estes são apenas alguns dos absurdos que os policiais são obrigados a ouvir durante as abordagens. E se o policial não mantiver a calma, pode acabar entrando no jogo do abordado e começar uma discussão desnecessária.

É muito mais interessante fazer provas do comportamento do abordado, seja através de filmagens por um integrante da equipe, seja através de testemunhas que acompanham a abordagem.

Eu já ouvi várias vezes todas estas frases destacadas acima. Sei que não é fácil suportar alguma delas, principalmente quando a pessoa abordada está embriagada ou realmente tem alguma influência.

E você, já passou por alguma situação parecida que possa compartilhar conosco?

15 Comentários


  1. É um risco de fatalidade pra quem desobedece a ordem policial numa abordagem. Por isso eu espero que o policial seja o mais eficiente possível, sem abuso de autoridade e desrespeito. Não tenho medo do policial, e acho que toda abordagem deve ser com armas em punho, pois não se sabe a quem aborda. Bom trabalho!

    Responder

    1. Bom dia, Manoel

      Sua visão da abordagem policial é perfeita! A arma de fogo é o instrumento de trabalho do policial e deve ser usada durante a abordagem.

      No entanto, o policial deve primar sempre pela segurança própria, do abordado e das pessoas que estiverem próximo do local. O uso da arma deve ser consciente e responsável. O comportamento do policial deve ser o mais profissional possível, com respeito ao abordado e o uso legal da autoridade.

      Forte abraço!

      Responder

  2. Senhores! O policial que bate está expondo a integridade física do preso e do policial e manchando a instituição, chegou, imobilizou e guardou sem conversa.

    Responder

    1. Bom dia, Tony

      Concordo plenamente contigo. O policial deve ser o mais profissional possível.

      Responder

  3. Bom dia, meu prezado amigo

    No meio policial, há alguns que tendem ao uso imoderado da força física. Mas, cada vez menos, isto tem acontecido.

    Quanto aos comentários no blog, estou acompanhando sempre e se perceber algum inconveniente, faço a exclusão imediata. Muito obrigado pela dica.

    Responder

  4. Eu nao compreendo essas coisas de PM saindo e dando porrada, senhor. Por que nao se contentam em fazer a sua parte ou dever.

    Por que gostam tanto de largar o braco? Triste!A pessoa merecer supapo e uma coisa, mas a lei tem que ser cumprida. Acho que muitos PMs sao sem fe'.

    Nao creem na Lei da Semeadura. Depois passam por maus momentos, ainda perguntam porque estao passando por aquilo.
    Senhor Fabricio, o senhor poderia educar essas pessoas que comentam de forma pesada. Eu vejo muito isso no blog abordagem policial, do Danilo. Eu, como paisano, admiro muito PMs desse jeito.

    Desculpe a falta de acentos e cedilhas.

    Responder

  5. E quando revistei um marginal e ele tinha um revólver na cintura, ele gritou você está querendo me incriminar .Essa arma não é minha. Claro que naquele tempo ele tomou umas boas porradas.

    Responder

Deixe aqui seu comentário