Amarrar bandido no poste virou moda

Tempo de leitura: 3 minutos

A sociedade está entrando em colapso. Não aguenta mais a impunidade dos infratores. A moda do momento é fazer justiça com as próprias mãos!

O povo indignado não chama mais a polícia. Pega o bandido… bate, bate, bate… e deixa amarrado no poste!

Tal comportamento não tem sido regionalizado, mas espalhou-se por todo o país. E a imprensa sensacionalista não se cansa de mostrar estes episódios.

O primeiro a ser noticiado foi o de um menor infrator pertencente a uma turma de menores que vive de roubos a transeuntes em uma área nobre do Rio de Janeiro.

O caso teve grande repercussão devido a intervenção de uma defensora dos direitos humanos que tirou fotos do jovem nu preso a um poste por uma tranca de bicicleta e postou nas redes sociais.

Desde então, tomamos conhecimento de um caso atrás do outro de bandido se dando mal nas mãos da população.

Antigamente se dizia que se não houvesse punição pela lei dos homens, os bandidos não escapariam da lei de Deus.

Entenda-se a lei dos homens como o ordenamento jurídico do Estado, que começa com a prisão do indivíduo pela polícia e condenação pelos juízes, sendo o destino dos condenados a penitenciária.

O que se vê nos dias de hoje é a impunidade quase que absoluta:

  1. quase nunca o bandido é preso;
  2. se for preso, quase nunca o flagrante é ratificado na delegacia, devido as brechas da lei;
  3. se o flagrante é ratificado e fica preso, não é por muito tempo, porque a justiça é lenta e quase nunca consegue cumprir os prazos legais;
  4. se responde o processo atrás das grades, quase nunca é condenado;
  5. se condenado, não fica muito tempo, porque são vários benefícios que o preso tem.

Logo, logo, o bandido volta para as ruas e o povo que se vá para trás das grades de sua casa, onde talvez ficará em segurança.

Mas são poucos os bandido que passam por todo este processo e cumprem sua pena. A grande maioria não conhece o sistema judiciário e, posteriormente, o sistema penitenciário.

A grande maioria dos infratores ainda não tem 18 anos, os conhecidos “de menor”, e são protegidos, pois “não sabem que o que fazem é errado”.

O povo não está aturando mais a inércia estatal e tem feito justiça com as próprias mãos.

Se os bandidos cometem um ilícito penal, aqueles que os espancam e amarram nos postes também cometem, podendo ser acusados por lesão corporal e uso arbitrário das próprias razões.

Longe de incentivar esta conduta do povo, mas se não é muito provável a punição para um assaltante, seria plausível a punição para aquele que apenas dá uns tapas e chutes, deixando o ladrão amarrado no poste?

E assim a sociedade vai retrocedendo, voltando ao estado de natureza, aquele em que não havia uma ordem social estruturada, em que vigia a lei do mais forte.

A sociedade que abdicara da liberdade absoluta que tinha no estado de natureza, repassando ao Estado o controle social, auferindo assim os benefícios decorrentes, retoma seu poder e volta a fazer a justiça a seu próprio modo.

Quando é fraco o braço forte do Estado, o povo reveste-se da autoridade de juiz e faz a verdadeira justiça contra os bandidos. E como andam dizendo por aí: deste jeito, vai faltar poste no Brasil.

2 Comentários


  1. Bom dia,

    Hahahaha… Você foi hilário. Mas não podemos descartar a hipótese de um inconformado com a situação política de nosso país pegar um parlamentar para Cristo e dá-lhe um sapeca-ia-ia.

    Responder

  2. Que bom seria se esta moda pegasse lá em Brasília, onde ficam os bandidos de verdade

    Responder

Deixe aqui seu comentário